Houve algo em comum, além da presença deste blog e dos Jornalistas Livres nas manifestações Em Defesa da Petrobras e pelos Direitos Trabalhistas e na Manifestação Contra “tudo que está aí”: A PM.

É preciso ser honesto e relatar que no dia 13 de março a PM, ao contrário do que costuma fazer em manifestações de esquerda, não provocou ninguém. Foi o dia de sair com a alma lavada, como bem relataram os amigos do Farofafá. Claro que não foram educados, foram truculentos como sempre. Mas não houve provocação, que no caso da PM, já acho um grande avanço.

Mas nas manifestações do dia 15 houve uma postura completamente diferente. Uma sensação de que a PM existe para isso mesmo, para defender a classe média. Não, nobre leitor e pequena leitora {{por onde andará a Gabriela?}}, não estou estereotipando, estou falando com base no datafoda-se  datafolha:

{{não acredite em mim – datafolha – Crédito da foto: Podemos Mais}}

As manifestações foram chamadas de Pacíficas pela comunicação dos partidos de oposição {{vulgo: Veja, folha, Estado de São Paulo e afins}}, o Valor econômico, normalmente um pouco mais progressista do que os companheiros de cartel de informações, chegou a publicar uma reportagem informando que um{{a}} militante teria recebido alguns reais para participar.

Nenhum veículo publicou quanto e quem pagou pelos carros de som do dia 15, mas a internet já tem esse mistério desvendado há semanas {{não acredite em mim – Diário do Centro do Mundo}}. E nenhuma facção da mídia ousou questionar porque o dono da AMBEV quer tanto a saída da Dilma. Um barulho sob o qual temos todos que dormir.

Mas perdi o foco. Desculpo-me e sigo em frente. Dizia eu sobre o movimento “Pacífico”. Sobre isso já se lançou uma série de vídeos, entre eles um que o blog enviou ao pessoal do Podemos Mais para ser divulgado:

 

Há diversas denúncias de agressões, inclusive a um cachorro, cuja dona não é petista, mas que estava com um lenço vermelho {{sim, toda essa provocação}} parado em frente ao mercado:

Em São Paulo, segundo a PM, não houve ocorrências. E isso deixou o blog um pouco confuso. Lendo a Constituição, encontro o seguinte:

Art. 22 – Fazer, em público, propaganda:
I – de processos violentos ou ilegais para alteração da ordem política ou social;
II – de discriminação racial, de luta pela violência entre as classes sociais, de perseguição religiosa;
III – de guerra;
IV – de qualquer dos crimes previstos nesta Lei.
Pena: detenção, de 1 a 4 anos.

Art. 23 – Incitar:
I – à subversão da ordem política ou social;
II – à animosidade entre as Forças Armadas ou entre estas e as classes sociais ou as instituições civis;
III – à luta com violência entre as classes sociais;
IV – à prática de qualquer dos crimes previstos nesta Lei.
Pena: reclusão, de 1 a 4 anos

{{não acredite em mim – Constituição}}

Pedir intervenção militar, portanto, é ilegal. Inconstitucional e é crime com pena prevista de 1 a 4 anos. É lei federal. Nada, portanto se sobrepuja a isso. No entanto, na manifestação se viu:

{{Crédito da foto: #JornalistasLivres}}

Todas essas fotos reproduzem crime. Com exceção à esta última, todas as outras ocorreram a menos de 300 metros da Polícia Militar Sem exceçã, todas ocorreram próximas à PM, me ajudou o pessoal do Blog do Koch, conforme pode se ver nas fotos:

{{Crédito da foto: Blog do Koch}}

Mas o Tucanistão acha é pouco. Aqui a PM mata porque o dono do bar não deixou ele fumar narguilé {{não acredite em mim – A Ponte}}, aqui a PM mata uma pessoa a cada 10 horas {{não acredite em mim – A Ponte}}.

A PM de São Paulo é chamada constantemente de racista {{não acredite em mim – Carta Capital}}. Mas, quem vê motivos para tal ?

Ambas as manifestações ocorreram sem transtornos, segundo a PM {{ainda que apenas uma delas tenha ocorrido em crime, solenemente ignorado pela mesma PM}}. Mas só uma delas mereceu comemoração:

{{não acredite em mim – Twitter Oficial da PM de SP}}

A manifestação de gente branca, conforme disse a BBC {{não acredite em mim}}. Para estas, ao que parece, quase tudo é permitido.

Não entendam mal. O blog não acha errado a PM querer se aproximar da população. O blog, como já disse em postagem no blog do Zé Dirceu, não culpa o cidadão que exerce o papel de PM, mas a orientação dada à corporação.

E acha que a imagem mais correta, para a mesma comemoração, deveria ser:

O blog gostaria que a PM fosse, de fato, a Polícia do Cidadão. Mas entende, que a polícia, para ser do cidadão, precisa ser desmilitarizada. O efetivo da PM que passe para a polícia civil, por treinamentos, melhoras salariais e que, principalmente, seja punido por assassinatos de jovens negros.

É isso que o blog quer.

Em tempo: Enquanto esta postagem era produzida o blog recebeu a informação de que a PM e o Secretário de Direitos Humanos da cidade de São Paulo, Eduardo Suplicy, discutiram rispidamente por conta da abordagem feita a dois moradores de rua.

As informações completas sobre o ocorrido você encontra na página do ImprenÇa no Facebook. O fato só corrobora o que o post diz.

Por Victor Amatucci, com os Jornalistas Livre*
*#jornalistaslivres em defesa da democracia: cobertura colaborativa; textos e fotos podem ser reproduzidos, desde de que citada a fonte e a autoria. mais textos e fotos em facebook.com/jornalistaslivres