Nosso manifesto encontra-se neste link, aqui nosso Plano de Atuação:

Organização:

  • Papo reto: A realidade brasileira e as formas de se organizar mudaram. Hoje, muitos jovens estão organizados por toda a cidade em torno de diversos objetivos e sonhos. Por isso, propomos estabelecer um espaço de diálogo constante com os mais diversos coletivos do campo progressista, ampliando a nossa capacidade de diálogo e construção. A proposta é que a JPT, junto a outras entidades e movimentos, constitua um foro permanente de organização, reunindo-se a cada dois meses ordinariamente para debater a conjuntura, alinhar as ações e formular a política conjuntamente.
  • Cidade em movimento, organização com os movimentos: Os movimentos sociais e as organizações possuem autonomia e estão organizados cada um a sua maneira. Assim, a organização da JPT Sampa deve estar em sintonia com os movimentos, e não a partir das estruturas rígidas do PT. Logo, a JPT deve manter canais de diálogo e se fazer presente na luta dos movimentos, entendendo e se somando a sua atuação e realizando reuniões em seus espaços e fóruns.
  • Articulação de núcleos de jovens mulheres, negros e negras e LGBTs.
  • Seminários e encontros temáticos que abordem o machismo, racismo, homofobia, mas também debates com atores identificados com estes segmentos discutindo de maneira transversal a cultura, educação, trabalho, conjuntura.
  • Encontros Setoriais: articular junto a outras instâncias do PT a organização de encontros temáticos com os diversos setoriais e secretarias do PT (Combate ao Racismo, Cultura, Educação, Saúde…), favorecendo uma interação que enriqueça nossos debates e formulações e contribua com o olhar da juventude sobre as mais diversas pautas.
  • Autonomia financeira da JPT: Promover ações e projetos com a finalidade de alcançar uma autonomia financeira para a JPT, organizando desde campanhas de arrecadação até festas e rifas que contribuam com a manutenção da secretaria.

Ação:

  • Caravanas culturais: A partir da experiência das “Caravanas Culturais”, que ocorreram em 2013/2014, devemos ampliar nosso campo de interação com os mais diversos grupos de cultura que atuam pela cidade, e assim, construir e somar nas atividades culturais, como saraus, por toda a cidade, em especial na periferia.
  • Dia D debate: Queremos discutir a juventude e muito mais! Assim, é necessária muita discussão e formulação, mensalmente, com os mais diversos setores do campo progressista.
  • Juventude na rua: Somando ao “PT na rua”, a JPT em articulação com outros movimentos e com os diretórios Zonais, deve estar nas ruas com nossas pautas e materiais fazendo a discussão com a sociedade.
  • Produção de um jornal trimestral que reflita a pluralidade da JPT.
  • Formação Política: Para falar com a juventude, ninguém melhor que a juventude. Assim, queremos em articulação com os Diretórios Zonais, construir plenárias de formação que dialoguem com os novos filiados e filiadas jovens.
  • Vida nos DZ’s: Os movimentos estão por toda a cidade. Enquanto jovens, queremos fazer com que os movimentos conheçam o PT, assim, queremos ajudar a construir atividades com os jovens nos Diretórios Zonais para que os canais de diálogo entre os Diretórios e os movimentos sejam fortalecidos.

Nas ruas e nas redes:

  • Fortalecimento dos espaços virtuais da JPT, garantindo a presença na rede da voz da juventude petista e dos movimentos do campo progressista. Criação de uma ferramenta em que a juventude possa se inscrever para receber os informes por e-mail e por whatsapp, melhorando assim nossa comunicação e capacidade de articulação em rede.
  • Incentivo à produção de jornais e blogs independentes, através de divulgação de matérias do campo ideológico da esquerda na rede.
  • Incentivo à criação de núcleos digitais, por meio de reuniões com recorte temático e regional, organizando uma atuação capilarizada que permita alcançar os diversos nichos da rede social e, assim, estar em sintonia constante com os anseios das juventudes. A partir deles, a JPT também poderá organizar oficinas sobre produção de conteúdo e atuação articulada na rede, de modo a otimizar nossa presença nas suas diferentes plataformas.
  • Organizar um debate da JPT Sampa sobre Redes e Comunicação para enriquecer nossa intervenção no próximo Camping Digital que está sendo organizado pelo Diretório Estadual e buscar garantir a estrutura para uma participação massiva da juventude nesse importante evento.
  • Organização da JPT Sampa para participar e intervir nos programas da Rádio do PT Estadual e da TVT, aproveitando esses importantes canais de comunicação para difundir a visão da Juventude Petista.
  • PodCast mensal com opinião da JPT sobre a conjuntura e agenda pública, a ser disponibilizado nas redes e para download.

Desafios da JPT para o próximo período:

  • Ampliar o diálogo em rede, com horizontalidade, em conjunto com os movimentos empenhados em enfrentar o genocídio da juventude negra, pobre e periférica, fortalecendo as ações do Juventude Viva;
  • Buscar viabilizar um espaço físico de cultura e formação da JPT fora do prédio do diretório municipal, proporcionando autonomia à JPT. Um espaço referência, organizado pela e para a juventude, e que possa ser utilizado por simpatizantes, filiados e movimentos para as mais diversas atividades: a organização de debates, eventos culturais, mobilizações, produção de materiais, etc. Um espaço de socialização é fundamental para que não filiados possam conhecer o PT, suas pautas e debates de modo mais interativo e fora dos espaços tradicionais, que padecem de vícios e de uma burocratização incompatíveis com a oxigenação que o Partido necessita.
  • Intensificar o diálogo com os milhares de grupos da juventude que lutam na cidade de São Paulo;
  • Organizar para o começo de 2016 uma Caravana da JPT Sampa que percorra todas as regiões da cidade, com prioridade absoluta à periferia, estabelecendo e fortalecendo canais com os Zonais do PT e os diversos movimentos políticos e culturais que atuam nas regiões.
  • Fortalecer o diálogo com as direções do PT para garantir a centralidade das pautas das juventudes no debate partidário;
  • Contribuir na construção do plano de governo para a reeleição de 2016 com foco nas juventudes, em especial as juventudes mais injustiçadas na sociedade. A JPT deve incidir sobre todas as temáticas de modo a prevalecer o caráter transversal da agenda da juventude, sem prejuízo da formulação de pautas concretas.
  • Organizar ainda no ano de 2015 um encontro da JPT para debater candidaturas jovens em nossa cidade, contribuindo de maneira estratégica com a construção da chapa de vereadores, que será decisiva na próxima eleição.
  • A partir da experiência em 2012 na campanha do companheiro Fernando Haddad, com os “Estudantes com Haddad”, e da campanha de 2014 (sobretudo, no segundo turno), intensificar e ampliar o campo de diálogo e atuação para além da instância partidária, fazendo com que 2016 seja marcado pela atuação organizada de toda a juventude do campo progressista nas eleições.
  • Aproveitar a mobilização do 3º Congresso da JPT para se somar à luta dos nossos companheiros que participarão da eleição para o Conselho Tutelar, bem como, num segundo momento, para as eleições dos Conselhos das Subprefeituras.
Compatilhar
Share
É curioso o bastante para falar sobre qualquer assunto e inteligente o bastante para saber que quase sempre estará errado.