* Da BBC

{{O presidente norte-americano Donald Trump assina ordens relacionadas com o aborto no Salão Oval – foto: AFP}}

 

Um grupo de homens que estão em torno de uma mesa: não é do tipo de imagem que viraliza.

A fotografia em questão foi tirada no primeiro dia do presidente dos EUA, Donald Trump no Salão Oval, quando ele assinou a proibição de dinheiro federal que iria para grupos internacionais que realizam ou fornecem informações sobre abortos.

“Os homens que tomam decisões sobre os corpos das mulheres” foi uma frase muito repetida no Twitter, como foi compartilhado centenas de milhares de vezes, incluindo pela autora JK Rowling.

A preocupação com a falta de mulheres na mesa vem como gabinete do Sr. Trump atrai a atenção para a elevada proporção de brancos do sexo masculino. {{nota do blog: qualquer semelhança com Temer não é mera coincidência}}

E enquanto algumas pessoas tenham ficado felizes com as movimentações na questão do aborto, outros nas mídias sociais expressaram alarme e confusão sobre qual poderia ser o seu impacto.

Imagens virais e manchetes nem sempre contam toda a história. Então aqui está um olhar para o que a ordem executiva do Presidente Trump significa.

Este é um passo para a proibição do aborto nos EUA?

Não em si. Esta ordem executiva específica é relevante fora das fronteiras dos EUA.

A política exige que organizações não-governamentais que recebam financiamento federal concordem em “não realizar nem promover ativamente o aborto como um método de planejamento familiar em outras nações”.

Isto preocupa particularmente os defensores dos direitos das mulheres nos países em desenvolvimento, onde os fundos ou instalações já são limitados.

{{Ativistas anti-aborto em uma reunião fora da Suprema Corte em Washington/EUA em 2016 – Foto: AFP}}

 

Embora esta política não afete diretamente os serviços nos EUA, Trump disse que apóia uma proibição do aborto em casa. Sua assinatura desta ordem como uma de suas primeiras ações executivas indica que ele ainda vê a questão como uma prioridade.

O presidente Trump é o primeiro a introduzir uma proibição de financiamento estrangeiro?

 

Os republicanos e os democratas estiveram envolvidos em um conflito político sobre a questão por décadas.

O presidente republicano Ronald Reagan criou pela primeira vez a Política da Cidade do México em 1984, interrompendo o financiamento de grupos internacionais que realizavam ou forneciam informações sobre abortos.

Mas os democratas mais tarde o revogaram sob o governo Clinton.

{{Um ativista de direitos de aborto em Chicago, protestando depois do presidente Trump vitória eleitoral – Foto: Reuters}}

 

A lei foi reestabelecida quando o presidente George W. Bush assumiu em 2001 e voltou a ser derrubada pelo presidente Barack Obama em 2009. E agora está de volta.

O que tudo isso tem a ver com a Cidade do México?

 

O nome oficial da ordem é a Política da Cidade do México porque o Presidente Reagan a implementou pela primeira vez em uma conferência de população das Nações Unidas na Cidade do México.

E por que é às vezes apelidado de “lei global da mordaça”?

 

Os críticos da política dizem que as organizações que trabalham em todo o mundo sentem-se censuradas por ela, porque não podem oferecer às mulheres conselhos completos sobre planejamento familiar.

Ao desrespeitarem as regras, perdem financiamento que, em alguns casos, pode ameaçar certos projetos ou toda a organização.

No entanto, grupos pró-vida deram as boas-vindas à rápida mudança do novo governo.

“A ação imediata do Presidente Trump de promover o respeito por toda a vida humana, incluindo as vulneráveis ​​crianças não nascidas no exterior, bem como os direitos de consciência, envia um forte sinal sobre as prioridades pró-vida de seu governo”, disse Marjorie Dannenfelser, presidente da organização pró- Lista de Anthony.

É incomum ter tantos homens na mesa?

 

Não. Como muitas decisões governamentais, as regras sobre o aborto são muitas vezes determinadas por funcionários do sexo masculino.

Muitos nas redes sociais foram rápidos em apontar que a decisão de 1973 Roe v Wade – visto como um marco caso de aborto direitos nos EUA – foi entregue por uma Suprema Corte totalmente masculina.

A decisão Roe v Wade diz que o aborto é legal até que o feto seja viável, geralmente entre 22 e 24 semanas.

Quais são as opiniões do Sr. Trump sobre o aborto?

 

O novo presidente americano já mudou de ideia sobre o assunto. Ele passou de ser pró-escolha em 1999 para ser contra o aborto hoje, embora ele diga que irá permitir exceções, como nos casos de estupro ou incesto.

Na campanha presidencial, ele disse acreditar que “alguma forma de castigo” deveria existir para as mulheres que fizerem abortos, se a prática for proibida.

Mas, depois de fortes críticas, ele divulgou uma declaração dizendo que apenas o médico ou praticante deveria ser punido, não a mulher.

Em entrevista à CBS News, Trump disse: “As leis são definidas E eu acho que nós temos que deixá-lo assim.”.

Ele se recusou a dizer se acreditava que o aborto era assassinato, mas depois admitiu que não podia discordar da declaração.

 

Artigo originalmente publicado pela BBC e traduzido pelo ImprenÇa

Compatilhar
Share
É curioso o bastante para falar sobre qualquer assunto e inteligente o bastante para saber que quase sempre estará errado.