Em uma semana que foi um festival higienista para ninguém botar defeito, a região da Luz em São Paulo, foi o principal foco, desastroso, da gestão de Doria Jr. Então sem delongas, vamos ao semanal.

Amizades

 

Como vimos no último semanal, Doria viajou abraçado a Rocha Loures, deputado flagrado em gravação como sendo o emissário de Temer para assuntos de propina. A viagem a Nova Iorque não chamou a atenção da mídia {{que surpresa}}, mas um outro fato veio a tona,

 

#AtropelaSP

 

O programa #AtropelaSP continua indo muito bem. Confira alguns de seus resultados:

{{não acredite em mim – Estadão}}

 

Neste caso em específico o programa inovou na modalidade “carteirada”. Segundo testemunhas o secretário teria dito ao policial o seu cargo, para que o motorista fosse liberado. Confira o que disse o pai da vítima:

“Mais um fruto amargo da imprudência de pessoas que deveriam dar exemplo ….
Veículo que conduzia o Secretário de Comunicação da prefeitura de São Paulo “Fabio Santos” e uma assessora, por volta das 14 horas, faz conversão PROIBIDA na Av Duque de Caxias e causa acidente envolvendo um motociclista.
Causando-lhe fratura e escoriações, encontrando-se internado no Hospital São Camilo aguardando por Cirurgia.
Uma conversão proibida à esquerda de forma negligente e imprudente, que segundo relato dos envolvidos, forçada pela referida autoridade, quase leva a morte um jovem de 20 anos.
O fato foi presenciado por viaturas da polícia militar que de pronto detiveram o motorista e nenhuma atitude foi tomada em face da dita “autoridade”.
O que mais importa nesse momento são os relatos que caracterizam a imprudência do condutor do veículo induzido ao erro por grande pressão exercida pelo então secretário para converter a esquerda em local totalmente proibido, sem medir as consequências, que poderiam ser trágicas.
No entanto, por relato do jovem motociclista agredido, por todo o tempo que esteve aguardando por socorro, ninguém dos ocupantes do veículo causador do acidente, incluindo o Sr Secretário Fabio Santos, se dispuseram a perguntar ao rapaz se estava bem ou se precisava de alguma coisa. Pasmem.
Desabafo de um pai!!!
É o que temos para hoje!!! Salve minha grande admiração à gestão Dória, mas, não posso aceitar que alguém que ocupe cargo público coloque vidas em risco como o que meu filho foi submetido hoje!!!!”

Higienismo

 

Esta semana foi uma sequência de desastres. Tanto do ponto de vista dos cidadãos, quanto do ponto de vista da gestão. Então tome cuidado para não se perder, vamos pela ordem dos acontecimentos.

Em plena virada cultural, que foi um absoluto desastre, Doria manda, em conjunto com o governador Alckmin, a GCM e a PM invadirem a região da cracolândia, com o intuito de retirar das ruas todo e qualquer ser humano que lá se abrigasse {{o motivo alegado, como sempre, era a prisão de traficantes}}. Foi assim:

E assim:

 

Em tese, nada de novo. Como o blog já contou aqui, desde 2009 ações desse mesmo tipo e com o mesmo objetivo são feitas. Sempre com o fracasso esperado por quem já estudou o tema.

Desta feita, porém, o Ministério Público e a Defensoria Pública haviam feito uma reunião com representantes da prefeitura, que garantiu que não faria uma investida nestes moldes. A realidade, como sempre, mostrou que Doria mente.

Pois bem, a ação gerou reação. E a primeira delas foi:

{{não acredite em mim – Conselho Federal de Psicologia}}

 

A segunda foi uma coletiva do Conselho Regional de Psicologia de São Paulo, que este ImprenÇa pôde acompanhar. A matéria você lê aqui.

{{Foto: Victor Amatucci / ImprenÇa}}

 

Aí teve uma outra ação. Doria, ligeirinho que só ele, resolveu que ia demolir os prédios que é para a especulação imobiliária ficar contente com ele de uma vez, mas aí…

Houve uma moradora que acusou a prefeitura de matar  um cidadão que teria sido preso numa lacração feita a mando da prefeitura. ImprenÇa foi atrás para tentar checar a veracidade do assunto e chegou a falar com o responsável pelo IML, que afirmou não poder comentar nada relacionado à cracolândia, por ordens administrativas.

Outras fontes ligadas à polícia civil garantiram, em off, que nenhum corpo foi retirado sem vida da região. Motivo pelo qual não vamos colocar aqui o vídeo com a moradora fazendo as acusações. Reiteramos que não foi possível checar a veracidade ou falsidade dos fatos, embora os indícios apontem que não houve mortes no local.

Pois bem, aí você já deve estar pensando que para tudo na vida há limites e que não é possível errar mais, não é? Pois é, mas é possível sim. O secretário Felipe Sabará, dono de centros de internação compulsória em Botucatu, estava presente quando a prefeitura demoliu um prédio com pessoas dentro. E o que ele fez? Bem, para usar uma linguagem mais policialesca, ele “se esvaiu do local”. Não sem antes dar uma declaração para lá de infeliz:

“Não sei o que aconteceu, nem sei se aconteceu alguma coisa. Só sei que os bombeiros estão aqui” e foi embora. Assumir responsabilidade não é o foco da Jestão {{com J mesmo}} Doria.

{{não acredite em mim – Revista opera}}

 

E aí você se pergunta: se demolir um prédio com gente dentro não é erro, é o quê? PLANEJAMENTO ? Não sabemos. O que se sabe é que, depois disso…

{{não acredite em mim – Poder 360}}

 

Mas isso não foi tudo… Ainda teve a Secretaria de Direitos Humanos ocupada por ativistas e pessoas em situação de rua…

Depois disso tudo teve manifestação de moradores e comerciantes da região, confira no vídeo de Edgar Bueno:

 

Pronto, acabou. Não, jovens, não acabou. A Jestão das tragédias sem fim seguiu sua saga higienista até alcançar níveis nunca d’antes atingidos. Eles foram além e serviram comida estragada aos acolhidos.

Pois é, não tem fim.

Depois de tudo isso a prefeitura pediu autorização da justiça para internar todo mundo da região. A justiça negou. Aí a prefeitura entrou com uma liminar e a justiça acatou. Acontece que a prefeitura afirmou que diversos médicos se posicionaram favoravelmente à internação compulsória… a realidade, como se sabe, é sempre mais complexa…

{{Profissionais procuraram o Conselho Regional e disseram que não foram procurados pela gestão João Doria – não acredite em mim – G1}}

 

E eis que ontem, domingo, a justiça novamente retirou a permissão de Doria de caçar seres humanos a esmo, como gostaria de fazer. E quando você é criticado, com razão, pela Soninha Francine, é porque o negócio foi grave.

{{não acredite em mim – HuffPost}}

 

{{não acredite em mim – folha}}

 

O caso está longe de se encerrar, mas para uma semana, o Doria enfim, se superou.

Compatilhar
Share

É curioso o bastante para falar sobre qualquer assunto e inteligente o bastante para saber que quase sempre estará errado.